Esta Noite Dançamos - Capitulo 23

Desculpem este capitulo ser enorme! É para compensar, porque ainda vou demorara a postar o próximo! O tempo é tão pouco... Bem vou agora actualizar-me sobre os vossos blogues >.< Kiss* Comentem, vá!


Ana estava sentada na beira da banheira, que estava cheia de água e de espuma, e com uma das mãos a balançar na água. Vestia a camisola de Tom, que lhe ficava comprida como um vestido e que ficava anormalmente larga naquele corpo feminino.

- Bom dia, minha leoa!

- Bom dia… - disse ela a sorrir. Ele aproximou-se dela e ela levantou-se. Olharam-se e beijaram-se loucamente. Por fim ela falou – Só mais uma coisa, Tom: eu não sou tua!

- Esta noite foste!

- Sim, mas não te habitues! Isto não passou de desespero sexual… Sabes que eu não te suporto, tal como tu não me suportas…

- Que eu saiba eu suportei-te e bem!… – respondeu ele perversamente.

- Eu também te suportei e graças a isso estou com uma dor de costas do pior! – disse ela mostrando uma expressão de dor… - Vá, agora vai-te lá embora!

- O quê? Pensei que esse banho que estás aí a preparar fosse para nós os dois!

- Pensas-te mal, é mesmo só para mim! – disse ela puxando-o até à porta da casa de banho.

- Porque é que és má? Podia-mos tomar banho os dois e depois eu fazia-te uma massagem… Imagina! – disse-lhe ele amarrando na cintura dela e começando a brincar com a boca dela…

- Uma proposta encantadora, sem dúvida, mas eu tenho que fazer e não posso perder tempo contigo…

-Que coisas são essas tão importantes que não podem esperar? – perguntou ele meio aborrecido.

- Apesar de não teres nada a ver com isso eu esclareço-te… Não sei se já te esqueces-te Tom Kaulitz, mas eu vim para Hamburgo para participar num concurso de dança com o resto do pessoal, no qual queremos sair vitoriosos. Para isso temos que ensaiar e é isso que vou fazer… Apesar de já ter passado a primeira fase e sermos considerados os melhores, isso só nos trás mais responsabilidade. Não podemos sair desse patamar e dá-lo de mão beijada a outro grupo! Ainda há mais três fases… Temos mesmo que ensaiar! Com certeza que compreendes, logicamente que como guitarrista de uma banda tens que ensaiar… comigo é a mesma coisa, só que é dançar! – ela fez uma pausa – Agora veste-te e vai-te embora, por favor!

- Ok, ok, eu compreendo, tens razão! Agora se queres que eu me vista, tenho que ter a minha camisola, que por acaso és tu que a tens vestida!

- Oh, pois é! Desculpa… - disse ela tirando a camisola e ficando completamente nua. Ele tirou-lhe novamente as medidas todas daquele corpo que ele descrevia como ‘perfeito’.

- Se eu soubesse que por baixo da camisola estavas nesses termos, já te tinha pedido para tirares a camisola há muito! – disse ele perversamente…

Ela sorriu: - És mesmo um tarado! Agora andor daqui para fora, Tom…

- Nem um beijo de despedida? – perguntou ele franzindo o olho.

Ela aproximou-se dele, meteu-se de bicos de pé e beijou-lhe a face serenamente.

- Não era bem isso que eu tinha em mente! – contrapôs ele – Era mais assim… - amarrou nela e beijou-a na boca ardentemente. Passou as suas mãos pela face, pelos peitos, pela cintura e pelas nádegas dela até que ela o afastou.

- Não te aproveites demasiado… Vá, agora vai, Tom!

- Sim eu vou, chata! – disse ele a sorrir-lhe. – És tão gira, miúda! – abriu a porta da casa de banho e antes de sair e fechar a porta piscou-lhe o olho como sinal de despedida - Adorei a nossa noite… - acabou ele.

Ela sorriu rendida…

- Eu também… - disse Ana já sozinha entre as quatro paredes da casa de banho.

 

Tom vestiu-se rapidamente e foi para o seu quarto que ficava a cerca de 100 metros do dela. Abriu a porta a assobiar e entrou. Viu o que não esperava, a Maria e Bill, ambos de pijama e a acabar de acordar!

- Que é isto? Parece que eu não fui o único a aproveitar bem a noite! – disse Tom perversamente.

- Não sejas parvo, Tom! – disse Maria ainda a bocejar – Se me estás a ver aqui a culpa é tua e da Ana…

- Ah? – retorquiu Tom sem estar a perceber nada.

- Ah? – repetiu Maria – Parece que vocês os dois estavam tão entretidos a fazer coisas obscenas que se esqueceram completamente de mim! Fiquei sem quarto para dormir e o Bill simpático como é, ofereceu-me estadia por esta noite!

Tom pôs as duas mãos na cabeça:

- Esquecemo-nos mesmo! Maria acredita que não foi por mal, a serio! Desculpa… – fez uma pausa e olhou para o seu irmão! -E a vossa noite foi boa?

- Mas tu pensas que eu sou como tu? – disse Bill franzindo o olho e percebendo o segundo sentido daquela pergunta – A Maria dormiu na tua cama!

- Na minha cama? Bill sabes que eu odeio que mexam ou toquem nas minhas coisas sem me pedir! Ainda por cima a minha cama? Porque é que não dormiu na tua cama e contigo?

- Tom! – disse Maria já a mostrar sinais de irritação.

- Pronto, pronto eu não digo mais nada! Bem, se para eu ter uma noite como esta, tu tiveres que ficar na minha cama, tudo bem… Estou disposto a pagar esse preço! – disse ele suspirando.

- Tom, essa miúda deixa-te parvo de todo! – disse Bill a sorrir maliciosamente.

- Não deixa nada! – retorquiu Tom tentando compor-se – Ela é exactamente como as outras! – disse ele rapidamente. De repente mudou de assunto. – Maria, acho que a Ana ia ensaiar agora, por isso é que me escorraçou de lá! Só te estou a dizer para se quiseres ir também…

Maria deu uma enorme gargalhada quando Tom disse “por isso é que me escorraçou de lá”…

- Sim, obrigada! É isso que vou fazer… Vou falar também com o resto do pessoal… Bem, muito obrigada por tudo, Bill… Foste um querido, a sério! – disse ela dando-lhe dois beijinhos na face e a inalar o seu doce perfume. – Bem, Tom… - disse ela também dando-lhe dois beijinhos – O que tu merecias não era beijinhos, mas sim uma coça por te esqueceres de mim, mas pronto… Adeus, meninos! – ela saiu.

- És mesmo um cabrão Bill! Porque é que não aproveitas-te? Vocês estavam sozinhos, caramba!

- Eu gosto de ir devagar… Não quero estragar nada entre nós! E tu? Pareces que já tiveste o que desejavas à tanto tempo.

- Nem imaginas! Foi o melhor sexo da minha vida… Acho que esta cena de nos odiar-mos resulta bem na cama… - ‘no chão mais propriamente’ corrigiu-se mentalmente e com um sorriso tarado na cara - Torna tudo mais emocionante, sabias? - disse ele trincando o lábio inferior.

- Pois eu acho que tu estás a confundir o ódio com outro sentimento completamente oposto, mas pronto, tu é que sabes!

 

Como Ana tinha dito e planeado, ensaiaram o dia inteiro! Eram já sete e meia da tarde, quando saíram do estúdio a morrer de cansaço e com os corpos a nadar em suor.

Ana e Maria seguiram para o quarto em silêncio.

- Maria? – Ana fez uma pausa e olhou nos olhos da amiga – Acho que te devo um enorme pedido de desculpa! Tenho um peso na consciência que nem imaginas! Quando te vi a entrar no estúdio de manhã lembrei-me que… lembrei-me que me esqueci completamente que também dormias no mesmo quarto que eu e que e no entanto esta noite, não dormis-te lá, por causa de mim… Estou preocupada, onde ficas-te?

- Está tudo bem, calma! – respondeu Maria a rir-se da expressão de assustada de Ana. – Eu fiquei no quarto do Bill…

- No quarto do Bill? Mariazinha, conta lá o que aconteceu! Vocês os dois…coise?

- Não aconteceu nada entre nós, parva! Mas agora tu… vais-me contar o que aconteceu contigo e com o Tom, ou não?

- Com ou sem pormenores? – perguntou Ana a sorrir perversamente e começando a contar o essencial daquela noite.

feito por danceandtokiohotel às 18:44 | link do post