Esta Noite Dançamos - Capitulo 32

Bem, já não venho aqui há muito tempo, peço desculpa, mas agora que a escola acabou (finalmente!) tenho todo o tempo do mundo para ler o que perdi nas vossas fic's e comentar.

Devo dizer que o dia 16.12.2010 foi o melhor dia da minha vida. 30STM <3

 

O pequeno-almoço fora agitado. Todos, sem excepção, estavam bem dispostos e a aproveitar a brisa matinal. Decidiram passar a manhã inteira juntos e foram passear a pé pela cidade. O ambiente entre eles estava inteiramente agradável. Já não havia as chatices e as zangas entre o Tom e a Ana. Em vez disso passaram a manhã toda a brincar um com o outro e por entre essas brincadeiras escapavam beijos discretos.

- Têm planos hoje à tarde meninas? – perguntou Tom no caminho para o hotel.

- Sim, vamos ensaiar… - respondeu Ana. – Aliás o Richard deve estar a chegar, ficou combinado ele vir ter aqui.

Tom transpareceu um olhar enciumado. Agarrou delicadamente no braço dela e puxou-a até si.

- Prometes-me que te portas bem?

- Portar bem? Estás a falar do quê, Tom? – perguntou ela sem estar a perceber onde ele queria chegar.

- Em relação ao Richard…

- Por favor, Tom! – indagou ela – Ele é meu amigo. Espero que isso não seja um ataque de ciúmes, porque se for, vamos ter problemas! Eu não estou para aturar isso… Sabes isso, não sabes?

- Eu sei, mas… - disse ele respirando fundo - Eu confio em ti, só não confio é nele… - concluiu acariciando o rosto dela.

- Não tens que te preocupar, Tom, ok? E aliás, lembras-te que a nossa relação não é séria, ainda. Digamos que é um estágio… - disse ela a rir-se - Bem agora vou ensaiar… Se não nos virmos mais hoje, fazes-me um favor?

- Pode não ser séria teoricamente, mas ambos sabemos que não é bem assim. Eu amo-te. – beijou-a docemente – Diz-me lá o que queres que faça?

- Sonha comigo! – pediu-lhe ela sorrindo.

- Ainda bem que não era nada sério, até queres que sonhe contigo! – disse ele sorrindo – E queres que sonhe contigo, com ou sem langerie? – perguntou perversamente e a brincar com os lábios dela.

- Sem. – disse-lhe ela entrando no jogo dele.

- Uhm, até pode ser, mas eu ainda pretendo ver-te hoje à noite… Temos que admitir que é muito melhor ver-te sem langerie na realidade do que a sonhar!

- Ainda bem que pensas assim! Bem, alguma exigência para hoje à noite?

- Tens três hipóteses de escolha: um fato de enfermeira, uma langerie preta, ou umas algemas e um chicote. – disse-lhe ele completamente excitado.

- E que tal um pouco de juízo nessa cabeça?

- Desculpa, mas esses são os meus fetiches sexuais e adorava que fosse contigo que os realizasse…

- Eu nem quero saber mais, Tom Kaulitz! Já vou chocada para o ensaio. Vá, tenho mesmo que ir, estou a demorar muito. – disse-lhe ela dando-lhe um linguado, absolutamente maluco que o deixou zonzo – Vemo-nos logo à noite, então…

 

Ensaiaram muito mais do que estavam à espera. Saíram de lá às sete e meia.

A presença de um novo elemento do grupo desconcertou um pouco o ritmo. Ainda estavam todos na fase de adaptação, mas tirando isso correu tudo muito bem.

A primeira coisa que Ana fez quando chegou ao quarto foi tomar banho. Sentia o seu corpo arrebatado e esmagado de cansaço. Bill convidara Maria a jantar com ele, para falarem e pelo que tinha reparado a coisa era séria.

Tirou a roupa e atirou-a para o chão. Ligou a água e deixou-a deslizar sobre o seu corpo. Ela sabia que o Tom devia estar a chegar, mas não tinha forças para mais actividade sexual. Nem sequer para uma cartada de bom humor. Só pensava em descansar, naquele momento era o que ela precisava.

Já de pijama, ouviu a porta a bater.

- Olá princesa. – disse Tom deixando-a sem tempo para responder. Entrou, abraçou-se a ela, beijou-a e empurrou a porta com o pé.

- Olá Tom! – disse ela, tentado acalmar-se daquele fôlego.

Ele observou-a intimamente. Olhou o rosto cansado dela, e percebeu que naquela noite não ia ter nada do que tinha planeado.

- Suponho que não haja fetiches sexuais para ninguém… - disse ele beijando-a mais uma vez - Nem sequer esse pijama vais tirar pois não? – perguntou-lhe ele adivinhando já a resposta.

- Acho que supões bem… Desculpa, mas eu já não me aguento em pé! Estou a morrer de cansaço.

- Notasse… Tens uma carinha que até dá pena. Vá, anda cá! – deitou-a na cama e enrolou-a sobre ele. – Será que dás permissão para dormir contigo?

- Tom, eu já disse que hoje não ia acontecer nada, por isso não alimentes esperanças…

- Ana, eu não posso simplesmente passar uma noite normal contigo? Sem sexo? Achas que não sou feliz, só por estar aqui contigo? O sexo não é tudo… - fez uma pausa dolorosa e implorou-lhe mais uma vez - Deixa-me ficar aqui, hoje eu preciso disso, hoje preciso de ficar contigo!

Ana sentiu a mudança de voz na última frase dele. Tornou-se insegura e triste. Desesperadamente olhou-o e já o conhecia há tempo suficiente para perceber que se passava algo.

- O que é que se passa? – perguntou ela preocupada.

- Nada. Apenas quero estar contigo…

- Não me enroles! Curiosamente o Bill estava com a mesma cara que tu quando veio convidar a Maria para jantar. – olhou-o pausadamente – Tom Kaulitz, que se passa?

- Nada, já te disse! Não estavas cansada? Vá dorme, prometo que passo a noite toda a mimar-te… - disse-lhe ele com um sorriso.

Não foi preciso muito tempo para ela adormecer. A verdade é que estava demasiado cansada para pensar, ouvir ou perceber o quer que fosse.

 

Ana acordou lentamente. Apalpou todo o território da cama à procura de Tom, mas não o encontrou. Abriu os olhos a custo e não o viu lá. Viu apenas uma folha branca sobre a cama, mesmo junto a ela. Sentou-se na cama e ainda com os olhos ensonados começou a lê-la.

 

Minha beleza, bom dia! Quando leres isto muito provavelmente estarei longe. Ontem não te contei, porque não tive coragem… Estavas tão cansada e não tive lata para te chatear com isto. Da maneira que te conheço, sabia que se contasse, provavelmente passarias a noite a divertir-te comigo (se é que percebes o que quero dizer), mesmo que já não aguentasses mais. Sei que fazerias isso por mim, como uma espécie de um «até breve»!

São 5 da manhã e tu dormes como um anjo.

Estou pronto para sair. O Bill também vem, por isso é que ele estava com aquela cara de enterro quando veio convidar a Maria a jantar. Eu, o Bill, o Georg e o Gustav vamos para o Chile, fazer uma apresentação da banda… Ainda não sabemos o tempo que ficaremos por lá, mas espero que seja pouco, porque não aguento estar longe de ti. Desculpa não te ter contado. Egoísta da minha parte, eu sei, mas eu vi-te realmente cansada ontem e não consegui dizer-to. Quando puder ligo-te…

 

P.S: Já te dei mil beijos para ver se acordas sem querer, mas tu dormes profundamente. Talvez estejas a sonhar comigo, ou assim espero.

 

AMO-TE <3

 

Um beijo na boca,

Tom Kaulitz

music: Attack - 30STM
feito por danceandtokiohotel às 15:16 | link do post | mimar