Esta Noite Dançamos - Capitulo 28

Finalmente vou postar o próximo capitulo!

Da última vez fiquei desiludida com os poucos comentários, espero que desta vez me surpreendam.

Sabem que eu só comento os vossos blogues ao fim-de-semana, porque é quando tenho mais tempo.

Amanhã vou ter teste e ainda estou meia perdida na matéria, o que não convém nada!

Kiss <3

 

Passaram dois dias desde que Ana fora encontrada por Tom. Nesses dias Ana e Maria, mal estiveram com os Kaulitz. A verdade é que não tinham tempo, tinham a segunda fase da competição de dança à porta e passaram esses dias a ensaiar com o resto do grupo.

- Achas que vamos conseguir passar amanhã? – perguntou Maria a Ana enquanto se deitava na cama.

- Sim, claro! Depois do que ensaiamos, só temos que conseguir! – respondeu-lhe ela.

- Sabes, só queria ter essa confiança toda!

- Não é que seja confiança, é apenas um facto. Nós ensaiamos imenso e está tudo perfeito, ou quase perfeito. Só temos que acreditar! – retorquiu Ana enquanto olhava para o rosto entristecido de Maria – Isso é tudo nervosismo ou é mais alguma coisa?

- Talvez seja saudades de um certo rapaz lindo e fantástico que por acaso é meu namorado! Ana, eu já não estou com ele há dias por causa dos ensaios! É já amanhã a actuação e nem sequer sei lá se ele vai… Se se lembra…

- Claro que vai! Achas que ele não ia apoiar a namorada? Ele adora-te, Maria!

- Às vezes parece tudo um sonho! Ele é o tão desejado vocalista dos Tokio Hotel e eu sou uma rapariga qualquer que está em Hamburgo para dançar! Somos de mundos opostos!

- Nem digas isso, Maria! Vocês são o casal mais fofo que conheço e ele nunca te trocaria por nada! Vá, deixa-te dessas inseguranças!

- Eu sei que ele gosta de mim, mas até quando? Mais tarde ou mais cedo nós também vamos para Portugal e depois?

- Não penses nisso agora… Vive um dia de cada vez! Talvez o teu problema seja já estares a pensar no que ainda não aconteceu…

- Talvez seja mesmo isso… - disse Maria exibindo um fraco sorriso – E tu? Eu tenho tentado evitar o assunto, mas acho que tu precisas de falar sobre isso… Diz-me que raio é que se passa nessa tua cabeça em relação ao Tom… e não me mintas, por favor!

- Sinceramente? Não sei, Maria… Não sei mesmo!

- Tu gostas dele?

- Eu não quero gostar dele!

- Não foi isso que te perguntei…

- Sei lá, Maria… ele mexe comigo, mas não sei que raio é que significa! Nem sei se quero saber, porque assusta-me! Eu não posso gostar dele, não posso, nem quero!

- Mas tu não escolhes e eu acho que se gostas realmente dele deves lutar por isso!

- Lutar? Tu estás a falar do mesmo Tom Kaulitz que eu? O Tom que eu estou a falar só pensa em sexo e não quer saber raparigas para mais nada!

- Eu acho que contigo é diferente… Sinceramente sempre achei que ele tem um fraquinho por ti…

- Maria eu não quero saber! – informou Ana cobrindo-se com o cobertor até à cabeça, como quem não queria ouvir absolutamente mais nada.

- Não queres? Talvez seja melhor quereres saber, porque vocês sempre às turras é que não vão longe! A princípio pensei que vocês andassem sempre a chatearem-se um ao outro porque odiavam-se, mas agora sei que não é isso! Vocês adoram-se mas têm tanto medo desse sentimento que tentam proteger-se atacando-se um ao outro. Vê lá se queres continuar assim, Ana. O tempo escoa… Por uma vez na vida deixa de ser orgulhosa e teimosa e dá o braço a torcer! Se calhar para ti é tudo estranho e misterioso, porque tu nuca amas-te ninguém, mas digo-te que é a coisa mais maravilhosa no mundo!

- Eu nunca amei ninguém, porque nunca precisei disso para nada, nem sequer para fazer sexo! Eu sou feliz sem amar ninguém Maria, acredita! Eu não gosto do Tom e ponto final!

- Mas acredita que eras muito mais feliz se amasses alguém e fosses amada também…

- Olha vamos acabar com este assunto, sim? Boa noite!

- Boa noite!

Ana não pregara olho durante a noite inteira. A mente dela fez questão de rebobinar toda aquela conversa milhares de vezes. Começou a pensar seriamente no que raio é que estava a sentir em relação a Tom. “Será que gosto dele?”, era por onde toda a sua mente girava. Estava absolutamente confusa quanto aos seus sentimentos e o seu pensamento estava numa desordem de ideias. Sentia-se desamparada e não sabia muito bem o que pensar em relação ao que ele sentia por ela. Ele sempre fora idiota com ela (tal como ela era com ele), mas lembrara-se daquela conversa na praia e sabia que ele estava tão desorientado como ela estava agora. Ele dissera-lhe que talvez a culpa de ele se sentir assim era dela, agora a culpa de ela se sentir assim era dele…

 

Quando Maria acordou, reparou que Ana já estava vestida.

- Bom dia! – disse ela – Onde vais tão cedo?

- Bom dia! Não sei bem, mas preciso de apanhar ar matinal…

- Uhm, tens cara de quem não dormiu nada… - comentou Maria ainda sem os olhos completamente despertos.

- E não dormi mesmo nada! Queres vir comigo? – convidou Ana.

- Estives-te a pensar no que eu te disse, não foi? – disse Maria ainda a bocejar.

- Sim, mas não sei se cheguei a alguma conclusão. Vens ou não?

- Vou! Dá-me 10 minutos para me arranjar…

 

O dia passou rápido. Já era noite e todos os grupos de dança preparavam-se para as actuações. Ana e Maria estavam nos bastidores a vestirem-se quando observaram uma figura arrogante e feminina.

- Ao tempo que não vos via, meninas! – disse cinicamente.

- Isso são tudo saudades, Sylvia? – provocou Ana.

- Claro que não estúpida… Prepara-te porque vamos comer-vos vivos!

- Da última vez disses-te a mesma coisa e não correu muito bem…

- Desta vez vai ser a doer! – disse Sylvia hipocritamente e aproximando-se da Ana - Olha lá viste o Tom? Ele não me responde às mensagens nem nada!

- O Tom não te responde? – Ana sentiu uma satisfação quando percebeu que ele já não lhe ligava nenhuma e sorriu para si mesmo, sentindo-se de seguida uma idiota por se sentir tão aliviada… - Se calhar não tem saldo! – concluiu brincando com a situação.

- Sabes, é que da última vez também fiquei de ir para a cama com ele e só não fui, porque ouve um pequeno incidente. Desta vez isso não vai acontecer… Vou compensa-lo da melhor maneira e na cama, claro! Não é perfeito? Dar agora um Show no palco, ser considerada a melhor da noite e depois ir comemorar com o guitarrista dos Tokio Hotel até nos cansarmos? É o cenário ideal… - disse Sylvia fazendo um tiques com as mãos enquanto falava e mostrando uma cara de enjoada a Ana e Maria.

- Claro que é um cenário ideal, sem dúvida, mas se eu fosse a ti não ia para a cama com ele com essas esquisitices, ele não gosta disso! Ele prefere brutalidade… - informou Ana aproximando-se ainda mais de Sylvia.

- Ai é? E o que é que tu sabes sobre isso, ah? Nada… és uma pobre coitada com esperança de ir para a cama com uma celebridade… Mas achas que ele te vai ligar? Não, ele gosta de mulheres a sério, mulheres como eu!

- É engraçado, porque quando fiz sexo com ele, ele disse-me exactamente o contrário! – disse Ana com um rosto firme e saindo dos bastidores a rir-se na cara de Sylvia.

 

O momento de brilharem estava prestes a atear. O palco era, agora, inteiramente deles. O público encheu-se de curiosidade quando repararam nos diversos panos que caiam do tecto do palco. Parecia que alguém iria fazer acrobacias neles e tornar tudo aquilo grandioso. Havia também estrelas. Estrelas prateadas que para os olhos do público estavam suspensas no próprio ar.

Tom e Bill chegaram mesmo nesse instante, sentaram-se por entre o publico e sentiram-se aliviados por terem chegado mesmo a tempo. Tinham tido ensaio da banda e não conseguiram chegar mais cedo. Ao contrário do que Maria pensara, Bill não se tinha esquecido dela e sabia que este seria um momento muito especial na vida dela.

- Acho que elas não sabem que estamos aqui… Há dias que não nos vemos! – comentou Tom, instantes antes da música começar.

- Eu sei… Parece possível? Namoro com ela à nem sequer uma semana e à três dias que não estou com ela, por causa dos nossos ensaios e dos ensaios do grupo dela. – nesse momento o seu coração apertou dolorosamente - Tenho tantas saudades… Nunca pensei apaixonar-me assim por alguém! Ela é tudo neste momento! - Bill contraiu os músculos e olhou para o seu gémeo – E tu? Não sentes falta da Ana?

- Vais começar com isso outra vez? Eu e a Ana não temos nada, já disse… Agora cala-te que são elas a actuar.

I feel: :S
music: Love the way you lie (parte ii)
feito por danceandtokiohotel às 17:58 | link do post | mimar