Esta Noite Dançamos - Capitulo 7

*

 

- Não tenhas pena! Com certeza que se safam, afinal eles já devem estar habituados a isso, certo? - Ninguém estava atenta ao que Ana dizia, ainda estavam abananados com o que tinham visto, ou melhor, quem é que tinham visto.

A Maria aproximou-se dela e murmurou:

- Tu és maluca? Tu já viste o que tu lhes disses-te? Não sabes controlar esse teu temperamento?

- Oh pah ele irritou-me à séria e não me contive. Ele pensa o quê? Que somos umas vadias? Tu sabes muito bem que ele tem fama de tarado e tu viste bem a cara dele quando disse: "Não é preciso ter muita inteligência para não nos conheceres! Ou é vergonha?"

- Sim, ok, a cara dele foi intimidante, mas podias ter dito tudo de uma maneira mais suave. Falas-te de tal maneira que parecia um atentado!

- Desculpa, mas foi mais forte do que eu...

- Que estão para aí as meninas a cochichar? - disse o João a aproximar-se delas seguido pelo Pedro e o Filipe.

- Contem-me, contem-me! Vá lá meninas! Por favor? - implorou o Filipe

- O quê?

- Como é que são? O que é que falaram? São porreiros? Vocês falaram-lhes de mim?

- São mais toscos do que pensava. Falamos pouco e nada interessante para saberes. Não. Não! Esclarecido?

- Ei Ana! Ás vezes pareces uma pedra... Maria responde-me tu, please?

- Bem, eles são... diferentes em si e entre si. Do que falamos? Nada de relevante. Nós tivemos pouco tempo com eles para saber se são porreiros, mas pelo que deu a entender são mais porreiros uns do que outros. Não falamos de ti, desculpa!

- Vamos lá acabar com esta conversa da treta. Daqui a 4 horas temos a reunião do concurso e ainda nem sequer dormimos. Vamos estar a dormir pelos cantos.

A Ana tinha razão. Dormiram apenas três horas. Foram para para a reunião e mal conseguiam abrir os olhos.

- Bem parece que finalmente vamos conhecer os nossos adversários! - disse a Maria enquanto enquanto o Filipe estacionava a carrinha.

Entraram e viram muita gente, talvez umas 65.

Esperaram cerca de 15 minutos e apareceu uma mulher muito bonita e para os olhos dos rapazes ela era 'toda boa'.

- Bom dia! Por favor sentem-se todos. - ela esperou e depois continuou - Eu sou a Ingrid e sou a directora deste projecto. Vou directa ao assunto, porque não quero gastar muito o vosso tempo. Só quero relembrar as regras! Como sabem a duração do concurso é de 4 semanas o que quer dizer que terão uma actuação por semana. Sendo assim sairá três grupos por semana, sendo ao todo 12 grupos. Vocês têm a liberdade  de escolher o estilo e a música que querem dançar. Também terão liberdade no vestuário! Haverá 3 júris todos eles ligados ao mundo da dança! Isto ocorrerá todos os sabados à noite e é aberto ao publico o que é muita mais responsabilidade para vocês! O grupo vencedor ganhará 25 mil euros. Alguma dúvida?

Abanaram todos com a cabeça respondendo que não.

- Óptimo! Então até Sabado! Trabalhem e serão recompensados!

Rapidamente se aperceberam que o grupo deles e mais outro alemão eram os únicos que não tinham formação alguma na dança.

De repente uma loira e o seu grupo pediram a atenção de todos. Instantaneamente todos se calaram e ela falou:

- Em todos os anos em que o meu grupo participou ganhou sempre, só queremos avisar que este ano não será diferente!

- Pois mas eu acho que vai ser diferente, aliás bastante diferente! - A Ana não se controlava quando alguém a tentava "puxar" para baixo.

Toda a gente ficou surpreendida com a Ana e não pela resposta em si mas só pelo facto de lhe ter respondido, afinal ela era quem todos temiam.

A loira aproximou-se dela a rir-se:

- Achas que vai ser o teu grupinho sem qualquer noção de dança que me vai dar uma lição? Eu não admito que alguém como tu me fale assim, principalmente quando não há a mínima hipotese de vocês ganharem muito menos ficarem nos 3 primeros!

- E eu não admito que intimides todos os grupos com a tua cara de sonsa e a tua cabeça oca cegada pelo dinheiro!

- Ei ouve lá tu... - ela ia atirar-se à Ana mas um rapaz do grupo dela segurou-a. A Ana estava intacta e mesmo sabendo que ela a ia atacar não houve qualquer alteramento na posição nem na expressão. Ela não sentia medo dela e loira apercebeu-se.

- Vamos embora daqui! - disse o Pedro puxando a Ana e o resto do grupo lá para fora.

- ESTOU DE OLHO EM TI, CABRA! - disse aos berros a loira que ainda estava a ser amarrada pelo rapaz do grupo.

- Ana, Ana, Ana tu és impossivel. - começou o Pedro - já arranjamos adversários e não me estou a referir à dança! Tu não sabes fechar essa tua linda boquinha e engolires tudo?

- Engolir? Ela estva a intimidar toda a gente, mas a mim não me intimidou só me deu força para dar cabo dela quando estivermos em palco. O maior erro dela foi substimar-nos. Ela pensa que somos fracos mas vai ter uma rica surpresa!

- Tu já não tens remédio! Vamos embora. - o João não estava nada contente com o que tinha acontecido.

- Sim vamos, e podemos escolher já o que vamos dançar! - A Ana estava empenhada a lutar por aquilo.

 

Chegaram ao hotel e foram directos para o estudio. Não conseguiam chegar a um acordo e estavam todos quase a dormir.

- Acabou! Falamos noutra altura. Eu estou tão cansado que nem consigo pensar - disse o Filipe a bocejar - Vou para o quarto, alguém vem?

- Sim - resposponderam o João e o Pedro.

- Tudo bem eu e a Ana ainda ficamos aqui um bocadinho!

- Ok meninas, portem-se bem.

- Sonhos cor-de-rosas! - gozou a Ana

 

- E que tal uma música? - disse a Ana enquanto mexia no rádio que estava lá.

Pôs uma música que nem conhecia e começou a dançar na palhaçada. A Maria acompanhou-a.

Começaram a ouvir rapazes a tagarelar e aquelas vozes eram-lhes familiares.

- Talvez os rapazes se tenham esquecido de alguma coisa! - sugeriu a Maria.

A porta do estúdio abriu-se. Não eram os rapazes. Eram os Tokio Hotel, outra vez!

feito por danceandtokiohotel às 10:03 | link do post | mimar